JUSTIÇA

Justiça, creio em ti
Em tua força e sabedoria
Tu que, mesmo antes do princípio da isonomia,
Sempre fostes desejada pelos que te integram
Esperada por todos que te almejam

Representada por um símbolo genérico: mulher
Sexo frágil, mas forte para decidir
Simples estatueta, mas complicada para ser entendida
Dona de desejos alheios, escrava de regras
Fascinante em teus mistérios
Sedutora em teu silêncio
Explosiva em tuas palavras

Coerente, imparcial
Sempre com olhos vendados
Para que não perdurem dúvidas
Quanto aos pesos a serem contrabalanceados

Justiça, aclamada pelas multidões
Todos esperam por ti
Alguns usam-te de escudo para encobrir erros próprios
Assim agem porque não te conhecem
Pois se assim fosse, não usariam o teu nome em vão
Acham que têm o poder de negociar-te
Como se tu pertencestes só a este mundo
Pobres coitados!
Não entendem que aqui és instrumento dos homens
Mas de onde viestes és instrumento de Deus

..." Pai, perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem..."

 

Drª Dulcinéia Zumach Lemos Pereira
OAB/ES 8453